O campo era lindo, de um verde singular, completamente diferente de todos os outros que ela já vira! A música, tão deliciosamente penetrante que fez dela cativa e se lembra de ter sentido algo precioso demais para se expressar em palavras!

Ela estava tão solta, o vestido branco de renda simples era longo e suave, quase como um pedaço de nuvem num dia quente de primavera, ela amou a sensação de pisar na grama fresca e macia, caminhando "descalça pela vida".

Ouviu vozes alegres e misturadas, sorrisos puros e ardentemente apaixonados...

Mas de fato, o que mais a atraía ainda não estava diante de seus olhos.

Sua percepção havia sido arrebatada, mas num súbito momento de lucidez descobriu que fazia parte dali!
Enquanto percorria a cerca viva da videira, lugar escolhido com maravilhosa elegância para aquele momento, ela pensou em como a felicidade havia tomado novo conceito e forma. Perdida em seu sorriso que lhe apertava os olhos, encontrou a porta, a porta que dava entrada para o lugar.

Parou e mais uma vez seus olhos dançaram sobre as pessoas, algumas delas a cumprimentavam com um sutil movimento. Mais uma vez aspirou profundo aquele cheiro amadeirado inconfundível e que lhe remetia à eternidade...
Seus olhos caíram sobre o tapete de um branco puríssimo, tal qual a neve em seus momentos mais latentes, que contraste impressionante de cores...
Sentiu seu coração estremecer e percebeu seu olhar preso ao lugar de onde a música nascia. 

Ele estava ali.

De costas, ela podia ver seus cabelos escuros que lhe davam um encanto único, contrastando com sua roupa despojada e incrivelmente perfeita! Ele sabia que estava sendo amado e correspondeu...virou-se lentamente e os seus olhos pousaram nos dela.
Qualquer palavra dita naquele momento seria como o rasgar de um quadro pintado à mão em total sensibilidade.

Enquanto o silêncio falava, ele caminhou devagar ao seu encontro, até o ponto de não haver mais nenhuma barreira entre eles, tomou a sua mão e a apertou contra o seu coração, tocou a sua face e uma explosão de saudade tomou conta do lugar, fazendo com que as árvores ao redor recebessem com devoção o vento norte.

Aquele momento era deles!

Nada nessa terra poderia descrevê-lo com exatidão, porque o amor é inexplicavelmente vivo.
Ele lhe apontou o altar, ela sabia que lhe pertencia...
Ele suspirou com dor, ela entendeu que precisava ir...
Lágrimas foram derramadas e o silêncio reinou tranquilo.
Ela desvencilhou-se de seus braços, olhou ao seu redor, as lágrimas agora beijavam livremente a sua face, enquanto ele, completamente tomado de paixão, acompanhava com os olhos os passos que a levavam.

Naquele momento ela soube, NUNCA mais seria a mesma!

Ele sabia, teria que renunciá-la dia após dia.

Ela fez o caminho de volta marcada pela presença ausente.

Desde então, ela anda pelas ruas a procurá-lo. Seus olhos caem em cada esquina e o saltar do coração pode ser ouvido pela esperança. Não consegue amar a mais ninguém daquela forma e nem encontrar aqui o seu pouso. Às vezes, quando o vento sopra, suas lembranças são tomadas pelo barulho e o perfume da dor, num balé solitário de arrebatamento e a certeza firmada de que...
o lugar a espera...
o barulho gostoso...
o tapete de neve...
e o amor do Único que poderá de fato fazê-la plena!

2 comentários:

ONG: O CORDEIRO disse...

Ultimamente ando meio bobo e derramo lágrimas facilmente. Não, não derramei lágrimas, mas meus olhos se encheram de água.

Anônimo disse...

Simplesmente...sem palavras! Fez-me lembrar da música:

♪♫O Noivo vem, sim Ele vem para buscar a noiva, que adornada está preparada para subir aos céus...em glória!...Sim! Ele Vem!♫♪

Postar um comentário